quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Taça de Portugal : Caldas assustou Gil Vicente mas acabou goleado para a Taça

Estádio Cidade de Barcelos
Árbitro: Vasco Santos (Porto).
Espectadores:1200.
.
Gil Vicente 5
Caleb, Éder, Pek’s, Danielson, Vítor Vinha, Leandro Pimenta, Vítor Gonçalves (Nelson Agra, 78 min.), João Vilela, Brito (Avto, 60 min.), Diogo Viana e Paulinho (Simi, 65 min.). Não jogaram: Adriano Facchini, Halisson, Luís Martins, Luan Scapolan.
Treinador: João de Deus.
.
Caldas 0
Luís Paulo, Militão, Almeida, Sidibe, Frias, Cosme, Mustafá, Simões (André Jesus, 62 min.), Telmo (Samir, 51 min.), Bacari (João Rodrigues, 78 min.) e Fábio Sabino.
Não jogaram: Dabó, Guerra, Farinha e Morgado.
Treinador: Ricardo Moura.
.
Ao intervalo:1-0.
Golos: Diogo Viana (45 min), Danielson (72 min), Avto (77 min), João Vilela (82 e 85 min., g.p).
Acção Disciplinar: Amarelo a Éder (10 min.), Vítor Lopes (31 min.), André Cosme (82 min.) e André Frias (85 min.).
.
O Caldas foi eliminado da Taça de Portugal ao perder diante do Gilvicente por 5-0. O resultado é demasiado pesado e não reflecte as dificuldades dos gilistas, sobretudo no primeiro tempo.
Diogo Viana, Danielson, Avto e João Vilela (2) foram os autores dos golos que ditaram o apuramento da formação de Barcelos, da I Liga, na 3.ª eliminatória da Taça de Portugal, num jogo em que os barcelenses venceram bem mas tiveram pela frente um adversário aguerrido e lutador, que se apresentou muito bem organizado e com uma excelente consistência defensiva.
A primeira oportunidade de golo do encontro até pertenceu aos homens das Caldas da Rainha, que aos 10 minutos, desperdiçaram uma grande penalidade a castigar um corte com a mão na área de Éder. Telmo assumiu a responsabilidade de cobrar o castigo máximo, mas rematou por cima da baliza dos anfitriões.
O Gil Vicente, algo adormecido e sem ideias para contrariar a estratégia adversária, só fez o seu primeiro remate intencional à baliza de Luís Paulo aos 36 minutos, quando Leandro Pimenta tentou a sorte de longe.
Em cima do minuto 45, na cobrança de um livre directo, Diogo Viana inaugurou o marcador e os locais saíram em vantagem para o intervalo. A segunda parte começou com uma perdida incrível de Diogo Viana, mas o extremo redimiu-se aos 72 minutos, quando serviu, com um cruzamento da direita, o defesa central Danielson, que fez o segundo golo.
Depois do golo de Ayto, aos 77, seguiu-se a quebra física dos jogadores caldenses e a equipa comandada por João de Deus chegou à goleada, com o árbitro a assinalar duas grandes penalidades no espaço de três minutos, ambas concretizadas por João Vilela.
 
Diário de Leiria

Sem comentários:

Enviar um comentário