quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Seniores : AC Marinhense tão perto da vitória

Estádio Municipal de Oliveira do Hospital
Árbitro: Homero Silva (Bragança).
.
Oliv. Hospital 1
Treinador: Zé Pedro.
Rui Vale, Eduardo, Seidou, Anderson, Fernando Pedro, Luís Pedro (Bruno Cardoso, 76m), Pedro André, Mário Jorge, Craveiro (Turé, 65m), Jerome e Nilson.
Suplentes: Rafa, Iano, Gonçalo e Viegas.

AC Marinhense 1

Treinador: Marco Aurélio.
Pedro Duarte, Feiteira, Índio, Timmie, Pedro Rodrigues, Falé, Dady (Kiká, 83m), Ricardo Fernandes (Cruz, 90+1m), Miguel, Baresi e Nélson (Jean, 75m).
Suplentes: Danilo, Amaro, Pipo e Moita.
Ao intervalo: 0-1.
Golos: Pedro Rodrigues (24m) e Nilson (89m).
Acção disciplinar: cartão amarelo para Índio (42m), Baresi (63m), Falé (73m), Feiteira (75m), Timmie (90m) e Pedro Duarte (90+3m).

O Oliveira do Hospital voltou ontem a tropeçar perante os seus adeptos - a equipa da Beira Serra tem 13 pontos em casa e 17 fora -, desta vez frente ao Marinhense, conseguindo um mal menor já em cima do minuto 90, quando um remate colocado de Nilson anulou a vantagem do conjunto da "capital do vidro" e definiu o 1-1 como resultado final.
Os homens de Zé Pedro seguem ainda assim na terceira posição desta Série D do Nacional da III Divisão, a apenas dois pontos dos líderes Caldas e Sp. Pombal, enquanto o Marinhense continua no meio da tabela.
Em crescendo no campeonato, a equipa da Marinha Grande marcou ainda na primeira parte, por intermédio de Pedro Rodrigues, na sequência de um canto, o que lhe permitiu reforçar uma estratégia calculista contra a qual os locais tiveram de se haver e se bater do princípio ao fim.
O péssimo estado do relvado do Estádio Municipal - a outro nível, a partida nunca se teria realizado - foi, no entanto, um obstáculo para o futebol mais vertical do Oliveira do Hospital que, pelas ocasiões de golo que criou, sobretudo na segunda parte, justificava outro desfecho final.
O Marinhense, experiente e organizado, foi segurando a vantagem, se bem que nalgumas alturas contou com a complacência do árbitro no recurso à falta e na quebra do ritmo do encontro (havendo ainda um lance de possível penálti que passou em claro).
Só mesmo nos últimos minutos, e quando técnico Zé Pedro já tinha reforçado o ataque, com os pontas-de-lança Bruno Cardoso e Turé, é que os visitados chegaram, finalmente, ao golo que lhes permitiu somar um ponto - o que foi, sem dúvida, um mal menor.


(Diário de Leiria)

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Juvenis : AC Marinhense vence Operário

Depois de ter garantido o histórico apuramento para a 2ªFase do Campeonato Nacional de Juvenis, a equipa do AC Marinhense estreou-se na competição com uma vitória por 2-1 frente a equipa do Operário dos Açores.


Jogo da 1ªJornada da 2ªFase do Campeonato Nacional Série C - Juvenis
Estádio Municipal da Marinha Grande
Assistência : Cerca de 100 Pessoas
Árbitro: Luís Dionísio, do CA da Leiria, auxiliado por João Silva e André Mendes

AC Marinhense: Leandro, Ivo Brígido, Zé Ricardo, David Marques, Luís Carlos (Rúben Fernandes, aos 72 min.), Tiago Lopes, Sérgio Pinto, Daniel Oliveira, Ricardo Jorge (Cap.), João Duarte (Miguel Vinagre, aos 58 min.), Francisco Simão (António Guardado, aos 65 min.)
Suplentes não utilizados: Rúben Lopes, Vasco Elvas, André Lemos
Treinador: Luciano Silva
Adjunto: Nélson Roque
Delegado: Abel Oliveira

Operário dos Açores: Mário Freitas, Diogo Félix (Cap.), Bruno Freitas, João Aragão, Guilherme Pacheco, Zé Oliveira, Rodrigo Cruz, Erico Andrade (Ricardo Varão, aos 71 min.), Rafael Benevides, Rui Brilhante (Patrício Coelho, aos 60 min.), Nuno Furtado (Luís Barbosa, aos 80 min. + 2)
Suplentes não utilizados: Rafael Medeiros, Arsénio Oliveira
Treinador: António Oliveira
Delegado: José Félix
.
Ao intervalo: 2-0
Marcadores: 1-0 Ricardo Jorge (aos 7 min.), 2-0 João Duarte (aos 16 min.), 2-1 Zé Oliveira (aos 74 min.)
Acão Disciplinar: Amarelo a João Aragão (aos 15 min), Bruno Freitas (aos 26 min.), Francisco Simão (aos 33 min.), David Marques (aos 34 min.), Daniel Oliveira (aos 35 min.), Rui Brilhante (aos 50 min.), Zé Oliveira (aos 55 min.), Tiago Lopes (aos 60 min.), Ricardo Jorge (aos 78 min.)
.
Numa manhã bastante chuvosa e com o relvado do Municipal da Marinha Grande bastante maltratado, a equipa do AC Marinhense recebeu e venceu a equipa do Operário dos Açores.
O Marinhense entrou pressionante no jogo e logo aos 7 minutos vai mesmo chegar ao 1-0. Jogada de Daniel Oliveira na direita, a colocar em Ricardo Jorge, que facilmente entra na área, e desvia a bola do guardião da equipa do Operário. Estava feito o primeiro golo do jogo. Em desvantagem no marcador, a equipa do Operário reagiu bem, e aos 9 minutos, Rafael Benevides tem um remate cruzado que leva algum perigo á baliza Leandro. Na jogada seguinte, novo lance de perigo para o Operário, após uma jogada de insistência, a bola sobra para Nuno Furtado, que em muito boa posição para fazer o golo, opta pelo passe a um colega, com a defesa do Marinhense a conseguir intercetar o lance.
Mas como tantas vezes acontece no futebol, quem não marca sofre e foi isso mesmo que aconteceu, com a equipa do AC Marinhense, a chegar novamente ao golo. Livre frontal a penalizar falta de João Aragão, e João Duarte com um remate forte, a fazer o 2-0. Sem ainda ter feito muito para isso, aos 16 minutos, o AC Marinhense ampliava a sua vantagem.
O Operário procurava responder e até tinha boas trocas de bola no plano ofensivo, mas pecavam com frequência no último passe, o que facilitava em muito o trabalho da defensiva do Marinhense. Aos 38 minutos, é novamente o Marinhense a criar perigo, com uma boa triangulação entre Tiago Lopes, Ricardo Jorge e com Daniel Oliveira a colocar com perigo na área, mas com o lance a ser cortado pela defensiva açoriana.
A 2ªParte começa praticamente com um lance de muito perigo para o Operário. Canto na direita para Nuno Furtado, e Bruno Freitas a aparecer dentro da pequena área, em posição privilegiada, mas a rematar muito fraco. O Operário ia procurando anular a desvantagem, e apesar de mostrar um bom futebol, ia esbarrando na bem organizada defensiva do Marinhense, que em vantagem no marcador, não arriscava tanto e procurava essencialmente o futebol direto, para a velocidade de Ricardo Jorge.
Com o passar dos minutos e com um campo cada vez mais pesado, pensava-se que dificilmente o marcador seria alterado, até que, aos 74 min., Zé Oliveira aparece solto á entrada da área, e finaliza de forma fácil, reduzindo a desvantagem da sua equipa para 1-2. A seis minutos do fim, estava relançado o jogo. A partir daqui, o Operário arriscou tudo, avançou no terreno, na tentativa de chegar ao golo do empate, deixando muito espaço nas suas costas e foi o Marinhense, que primeiro por Rúben Fernandes e depois por Tiago Lopes, que quase chegava ao golo, no entanto, o resultado de 2-1 não se alteraria.
Vitória justa do AC Marinhense, num jogo em que entrou forte, e em que aos 16 minutos já vencia por 2-0, mas que gradualmente foi perdendo qualidade, perante uma boa equipa do Operário, que fez pela vida, e que acreditou sempre até ao fim que poderia pontuar. Uma nota final para todo o ambiente de fair-play entre as duas equipas, antes, durante e após o jogo. O futebol deveria ser sempre assim.
Num campo bastante pesado e propício ao choque, Luís Dionísio e seus pares tiveram uma atuação bastante regular e sem qualquer influência no resultado da partida.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Iniciados: AC Marinhense perde por 0-1 frente ao SL Cartaxo

Jogou-se no passado Domingo (27-01-2013) pelas 15 horas a 1ª jornada da 2ª fase do Nacional de Iniciados - Manutenção onde o Marinhense encontrou pela frente o Cartaxo que veio à Marinha Grande ganhar por 1-0 num campo em péssimo estado devido ao mau tempo da semana anterior.
O AC Marinhense alinhou com um 4x1x2x4 com Lucas na baliza, Tiago Lisboa e João Diogo a centrais, Ricardo Pereira a lateral esquerdo, Gito a lateral direito, Sandro a médio defensivo, Davide e Coelho a médios centros, Mota a médio ofensivo, André Vigia a extremo direito e Wilson a extremo esquerdo. O jogo foi muito preso no meio campo com muitas possas no campo sem possibilidade para rolar a bola tendo as 2 equipas optado pelo jogo direto. O Cartaxo teve poucas oportunidades na 1ª parte, tendo uma delas contado com uma boa defesa de André Lucas. 
De salientar também um passe de Ricardo Pereira para André Lucas e este não conseguiu dominar e retira a bola para fora do terreno de jogo. Na 2ª parte o Marinhense ganhou nova vida e criou bastantes oportunidades desperdiçadas até o Cartaxo chegar ao golo. Num lançamento longo para a grande área, o avançado do Cartaxo remata forte para dentro da baliza de Lucas sem hipótese para este a defender. Os jogadores do Marinhense lutaram até ao final mas não conseguiram quebrar o 1-0 final. Ainda houve tempo para Luis Nobre quase ser expulso por reclamar com os árbitros.
Avaliação da arbitragem (0~10) - 7.5

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Seniores : Caranguejeira dá ‘nega’ à União de Leiria SAD que agora ‘pisca o olho’ ao Pilado

A possibilidade de a União de Leiria SAD vir a utilizar o campo de futebol da Caranguejeira para os treinos e jogos oficiais foi descartada, passando a estar em cima da mesa a hipótese da equipa que milita na II Divisão Nacional, zona Sul, jogar no campo do Pilado. A novidade foi avançada ao Diário de Leiria pelo director desportivo da SAD, Armando Santiago, que diz estranhar todos estes “avanços e recuos” já que o acordo com a Junta de Freguesia da Caranguejeira estava praticamente concluído.
“Ligaram-se num dia para reunirmos e assinarmos o contrato de utilização do campo da Caranguejeira. Algumas horas depois, voltam-me a ligar a dizer que já não queriam o acordo porque achavam que o relvado não estava em condições para a União de Leiria lá jogar”, revelou Armando Santiago.
Para o director desportivo da União, a resposta da Junta da Caranguejeira “não faz sentido”, isto porque o clube responsabilizava-se pela ‘revitalização’ do relvado. “De uma hora para a outra acharam que o campo não tinha condições, mas a União de Leiria SAD já se tinha comprometido a tratar do relvado, a pôr areia, até mesmo a pintar os muros. Não compreendemos esta decisão”, confessou Armando Santiago apontando um possível culpado: “Na minha opinião terá havido pressão por parte da Câmara Municipal de Leiria, mas não me vou alongar sobre isto porque não tenho provas concretas”.
Desta forma, o clube terá que voltar a procurar nova solução e, ao que tudo indica, esta passará pelo campo do Pilado. “Tive uma reunião com a direcção do Pilado, mas há situações que vêm detrás que estão a atrasar o acordo total. Contudo, está tratado e aguardamos apenas um contacto para podermos ir para lá. Ainda não posso dar certezas, mas estamos a fazer todos os esforços, e é esse o nosso desejo, que o próximo jogo em casa seja feito no Pilado”, assumiu Armando Santiago.
Recorde-se que a União de Leiria começou a época a jogar em Santa Catarina da Serra tendo recentemente, optado por jogar nos Pousos e na Maceirinha. Uma situação desgastante e, contudo, ainda não teve consequências desportivas. “É muito incómodo para nós porque andamos com a casa às costas. Estamos a ser muito bem recebidos nos Pousos e na Maceirinha, mas é uma situação de nos dificulta muito o trabalho”, concluiu o director desportivo da SAD.

José Roque (Diário de Leiria)

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Seniores : AC Marinhense vence SC Pombal em derby distrital

Jogo da 15ª Jornada, do Campeonato Nacional da 3ªDivisão/Série D
Estádio Municipal da Marinha Grande
Árbitro: António Matias, do CA de Portalegre, auxiliado por Manuel Azeitona e Daniel Pereira
Assistência: Cerca de 100 Pessoas

AC Marinhense  1: Pedro Duarte, Féteira, César Índio (Cap.), Timmie, Pedro Rodrigues, Leandro Falé, Dady (Kika, aos 90 + 2 min.), Ricardo Fernandes, Miguel (Cruz, aos 83 min), Baresi e Nélson Pereira (Amaro, aos 75 min.)
Suplentes não utilizados: Danilo, Pipo, Jean, Moita
Treinador: Marco Aurélio
Adjunto: Rui Pimenta
Massagista: André Manço
Delegado: Geraldes

SC Pombal 0: Nélson, Lagoa, Sousa, Fábio (João Pinto, aos 85 min.), Cepeda, Jocy Barros, Rúben, André Costa (Cap.), Miguel Xavier, Rica (Jardel, aos 73 min.) e Wilson (Mauro, aos 78 min.)
Suplentes não utilizados: Paulito, Pedro Emanuel
Treinador: Nuno Pereira
Adjunto: Alexandre Gaspar
Massagista: Rúben Fernandes
Delegado: Leonardo Araújo

Marcadores: 1-0 Ricardo Fernandes (aos 71 min.)
Acão Disciplinar: Amarelo a Pedro Rodrigues (12 min.), Ricardo Fernandes (35 min.), Lagoa (37 min.), Timmie (54 min), Miguel Xavier (aos 74 min.), Luís Féteira (aos 83 min.), João Pinto (aos 86 min.), Baresi (aos 88 min.), Pedro Duarte (aos 90 + 4 min.)

Numa tarde de autêntico dilúvio na Marinha Grande, e com o relvado do Municipal a apresentar bastantes limitações, as equipas do AC Marinhense e do SC Pombal fizeram o jogo possível, dadas as condições.
Mas desde o início de jogo, que deu ideia da equipa da Marinha Grande se adaptar melhor às condições do terreno e logo aos 5 min., depois de um livre frontal de Ricardo Fernandes, Nélson a defender para a frente, e na recarga Dady, em posição privilegiada, a tentar colocar num companheiro de equipa, mas a bola acaba por ser cortada pela defensiva do SC Pombal. O SC Pombal procurava responder, mas fazia-o sempre de uma forma algo incipiente, e que era facilmente anulada pela defensiva do Marinhense. Aos 33 min., é novamente o Marinhense a criar muito perigo. Centro na esquerda de Ricardo Fernandes, e Baresi a aparecer solto na área e a cabecear para uma grande defesa de Nélson, com Leandro Falé na recarga a rematar por cima. Cinco minutos depois, o Marinhense novamente a criar perigo, com Nélson Pereira a trabalhar bem na direita, a fletir para a zona central e a rematar muito perigoso, com a bola a bater na trave da baliza de Nélson.
Com um relvado cada vez a apresentar menos condições, a 2ªParte iniciou-se na mesma toada, com a equipa do Marinhense a revelar sempre uma maior adaptação. Apesar disso, o primeiro lance de relativo perigo vai pertencer ao SC Pombal, com Jocy Barros, depois de um cruzamento na esquerda, a elevar-se bem, mas o cabeceamento a sair ligeiramente para fora. Na resposta, aos 62 min., lance na área do SC Pombal, a bola a sobrar para Pedro Rodrigues, que em muito boa posição remata para fora. Até que aos 71 min., vai mesmo aparecer o golo do AC Marinhense. Ricardo Fernandes a cruzar na esquerda e com a bola a sofrer um ressalto num aglomerado de jogadores e caprichosamente a entrar na baliza de Nélson. Estava feito o 1-0.
O SC Pombal, já com Jardel em campo, procurava responder á desvantagem no marcador, mas ia tendo muitas dificuldades. Aos 85 min., é novamente o Marinhense a criar perigo, com Dady a trabalhar bem na esquerda, e a rematar para defesa segura de Nélson. Aos 89 min., é Jocy Barros a ter nos pés uma boa oportunidade de chegar ao empate. Livre de Miguel Xavier, a bola a sobrar para Jocy Barros, que em posição privilegiada, acaba por perder muito tempo e permite à defesa do Marinhense o corte. Perdia-se assim a última oportunidade do SC Pombal chegar ao empate.
Vitória justa do AC Marinhense, que foi a equipa que melhor se adaptou às deficientes condições do terreno, e que foi sempre a equipa mais perigosa em campo, frente a uma equipa do SC Pombal, que neste jogo, mostrou pouco para quem ambiciona os lugares de subida. Quanto a arbitragem da equipa liderada por António Matias, num campo difícil e propício ao choque, acabou por ter uma arbitragem regular e sem qualquer influência no resultado.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Juvenis : AC Marinhense passou á 2ªFase

O AC Marinhense alcançou a 2.ª fase do campeonato nacional de juvenis em futebol, onde doze equipas, divididas em duas séries, disputam o apuramento de campeão nacional.
A equipa de Luciano Silva alcançou o apuramento mercê de ter sido o melhor 3.º classificado de todas as séries da 1.ª fase, na série C, onde a U. Leiria foi 4ª classificada.
Na fase de apuramento de campeão, o Marinhense vai integrar a série B (zona sul), assim como Benfica, Sporting, Imortal, Vit. Setúbal e Operário dos Açores. A formação açoriana é o primeiro adversário do Marinhense, em partida marcada para o dia 27 de janeiro, no Estádio Municipal da Marinha Grande, seguindo-se a visita ao Sporting, receção ao Imortal e ao Vitória de Setúbal e termina a 1ª volta com a deslocação ao Benfica.
Na série A estarão FC Porto, Padroense, Beira-Mar, Vit. Guimarães, Académica e Sp. Braga.

O Derbie

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Juvenis : UD Leiria venceu "rivais" de Coimbra



Campo da Mata, em Santa Eufémia
ÁRBITRO: Luís Dionísio, assistido por André Mendes e João Silva.
ASSISTÊNCIA: 80 espectadores.

UNIÃO DE LEIRIA 2
TREINADOR: Michael Kimmel.
Neca, Stephen, Rui, Barbosa, Beato, Diogo Izata, Tiago Figueiredo, Vasco Pontes (Canhoto, 80m), Simão (Dennis, 80+1m), Zé Rodrigues (Fábio, 90+2m) e Benny.
SUPLENTES: Paulo Ferreira, Paulo Lourenço e Sousa.

ACADÉMICA 0
TREINADOR: Pedro Rodrigues.
Marco, Miguel, David Almeida, Chico, João David, Bruno, Tiago Alves (Fiador, 66m), Taborda (Paredes, int.), Joel, Pedrito e Daniel Alves (Amândio, int.).
SUPLENTES: Pedro, Carlos, Luís Rodrigues e Jorge Silva.

AO INTERVALO: 1-0.
GOLOS: 1-0 auto-golo Chico (18m), 2-0 por Zé Rodrigues (59m).
ACÇÃO DISCIPLINAR: Cartão amarelo a Diogo Izata (15m), Taborda (35m), Benny (71 m)

A União de Leiria venceu a Académica por 2-0 num jogo em que, para os leirienses, servia apenas para cumprir calendário, enquanto os ‘estudantes’ procuravam segurar o primeiro lugar na série C do nacional de Juvenis.
A primeira parte foi muito bem disputada e ritmada pelo equilíbrio já que estavam frente a frente duas equipas com jogadores de grande qualidade técnica.
Contudo, a União de Leiria entrou melhor e chegou mesmo ao golo aos três minutos por Simão, mas o lance é invalidado por fora-de-jogo que deixou muitas dúvidas.
Os leirienses não se atemorizaram e a meio do primeiro tempo inauguraram o marcador. Num livre marcado por Vasco Pontes para a área, o guarda redes Marco e o defesa Chico saíram à bola com este último a cabecear para a própria baliza,fazendo o 1-0 para os leirienses.
Até ao intervalo, a Académica tentou reagir, mas não conseguiu arranjar argumentos para chegar com perigo à baliza de Neca.
Na segunda parte esperava-se uma reacção da Académica, mas seriam os leirienses a estar perto do golo após um canto com Zé Rodrigues, em boa posição, a rematar por cima. Estava dado o aviso para o que seguiria ao minuto 59. Na marcação de um canto, novamente Zé Rodrigues, o melhor em campo, a dominar o esférico dentro da área e a atirar para o fundo da baliza com a bola ainda a ressaltar num defesa visitante antes de entrar.
A resposta da Académica foi imediata com Tiago Alves, num lance individual, a rematar para grande defesa de Neca. Foi a única jogada de verdadeiro perigo que os conimbricenses fabricaram em todo o jogo.
Já perto do final, pertenceu à U.Leiria a melhor oportunidade com Simão a surgir em boa posição, mas Marco evitou, com uma grande defesa, novo golo dos leirienses.
Vitória justa da melhor equipa em campo, enquanto a Académica deixou uma pálida imagem do seu poderio, não justificando, de todo, a liderança na tabela classificativa.
Arbitragem negativa de Luís Dionísio. Um golo da U. Leiria parece ter sido mal anulado e terá ainda ficado uma grande penalidade por assinalar por falta sobre Zé Rodrigues na área, para além de outros pequenos erros sem influência no resultado.

O Derbie

Juniores : União de Leiria soma e segue

Campo da Mata em Santa Eufémia
Árbitro -
 Rudy Silva (AF Leiria), assistido por Daniel Nicolau e Fábio Santos.

Assistência - 150 espectadores.
.
UD Leiria - 3
Treinador -
Tiago Vicente.


Tagarrinha, Miguel Ângelo, Luís Oliveira, Virtudes, Rafa, Esgaio, Pepo (João Gomes, 75m), Diogo Dinis, Jota, Bernardo (Aliu Camara, 75m) e Carlos Oliveira (Madruga, 65m).
Suplentes -
 Xico, Nicholas, Luiz Sousa e Fredy.

.
União de Coimbra - 0
Treinador -
Pedro Santos.


João Cruz, Anthony, Sérgio Alves, Abi, Bruno Sousa, Samuel, Zé Viegas (Saltão, int.), Marcos, Yassine, Luís Borges (João Viegas, 89m), Reverendo.
Suplentes -
 Ricardo, Miguel, Yakine, Carlos.
.
Ao Intervalo -
 2-0.


Golos -  1-0 por Jota (3m); 2-0 por Diogo Dinis (40m); 3-0 por Madruga (66m).
Acção Disciplinar - Cartão amarelo a Sérgio Alves (15m), Abi (80m) e Saltão (85m).

A U. Leiria conseguiu um importante triunfo por 3-0 na recepção ao U. Coimbra, mantendo bem acesa a esperança de marcar presença na fase final do nacional de juniores. A partida não poderia ter começado melhor para os leirienses que se adiantaram no marcador logo aos 3 minutos, num livre cobrado na esquerda do ataque por Pepo, com Jota a aparecer no coração da área a desviar para o 1-0. A partir daqui o jogo foi muito disputado a meio-campo, mas sempre com a U. Leiria no comando das operações. A equipa conimbricense sentiu muitas dificuldades em ligar o seu jogo e criar verdadeiras situações de perigo junto da baliza dos homens da casa. Contudo, apesar do bom futebol praticado, a U. Leiria só conseguiu voltar a criar perigo aos 40 minutos e mais uma vez voltou a revelar uma eficácia tremenda. Bernardo recebeu a bola já dentro da área e serviu Diogo Dinis que desferiu um potente remate em trivela assinando um golo de belo efeito, em que a bola ainda embateu no poste da baliza de João Cruz. Dois minutos depois foi Carlos Oliveira a tentar o remate mas o guarda-redes da U. Coimbra defendeu bem para canto.
Na segunda parte, a equipa de Pedro Santos tentou reagir e o primeiro sinal de algum inconformismo foi dado por Reverendo que rematou de longe com a bola a passar pouco por cima da baliza de Tagarrinha. Três minutos volvidos (58m), respondeu a U. Leiria com Pepo a tentar a sua sorte do meio-campo com a bola a passar muito perto da baliza da U. Coimbra. Os leirienses continuaram a ser a melhor equipa no terreno de jogo e após uma excelente desmarcação de Pepo, Jota galgou no terreno mas o remate embateu nas malhas laterais. Estava dado o aviso para o que se seguiria. Aos 66 minutos, na primeira vez que toca na bola, Madruga ganha um ressalto já dentro da área e entrou com o esférico dentro da baliza fazendo o 3-0. Até ao apito final apenas destaque para uma excelente jogada de combinação entre Madruga e Jota, com este último a tirar tinta da barra da baliza após um potente remate. Vitória justa e sem contestação dos leirienses, perante a falta de réplica dos homens de Coimbra que nunca conseguiram incomodar Tagarrinha.
Arbitragem positiva de Rudy Silva.

José Roque - Diário de Leiria

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Iniciados : AC Marinhense perde nos minutos finais com o Fátima



Realizou-se este domingo (13-01-2013) a 18ª e última jornada da 1ª Fase do Nacional de Iniciados Série E onde o Fátima ganhou 1-0, golo de penálti por António Clemente. Um jogo onde começou com o domínio por parte do Fátima e este permaneceu-se até aos 20 minutos quando o Marinhense foi criando oportunidades de golo. Jogo sem grandes oportunidades, tirando na segunda parte, um remate potentíssimo fora de área que bateu no poste de André Lucas. O penálti aconteceu quando Pereira, sem ter feito nada, caiu no chao dentro de área e o jogador do Fátima caiu também, criando a ilusão ao árbitro que Pereira o tinha puxado. 1-0 para o Fátima e assim permaneceu até ao final. Nota para a fraquíssima arbitragem. Nota de 0-10 : 3



Juvenis : AC Marinhense consegue acesso à 2ª Fase do Campeonato Nacional

 
Os Juvenis do Atlético Clube Marinhense conseguiram este Domingo, dia 13-01-2013, uma histórica  passagem à 2ª fase do Nacional de Iniciados.

Palavras de Luciano depois do jogo no seu Facebook:
"Realizar de desejo pessoal….


Finalmente cumpri um desejo de atingir uma 2 fase do campeonato nacional com uma equipa do Atlético Clube Marinhense (os Juvenis A).

Hoje tudo fizemos para chegar ao 1º Lugar da Série C e abrilhantar mais, es
ta primeira metade da época que foi muito boa e positiva. O jogo não quis que o conseguíssemos…e isto é futebol nem sempre ganha o melhor, nem sempre ganha o que mais oportunidades cria, mas sim o mais eficaz e hoje não o fomos….
Estou tremendamente orgulhoso pois, contra todas as perspetivas iniciais, lutando de formas desiguais, o grupo de trabalho acreditou sempre que seria possível conquistar 3 pontos em todos os jogos. Fomos ganhando ponto após ponto até ter segurado, a uma semana do fim, a respetiva passagem a 2ºfase.
O mérito é, sem dúvida, de todo o grupo de trabalho, Ruben Lopes, João Nobre, Leandro, António, Manuel, Luís Carlos, André Lemos, Ivo Brígido, Tiago Letra, João Robalo, Zé Ricardo, David, João Duarte, Bernardo, Vasco, João Bernardo, Sérgio, Vinagre, Ruben Fernandes, Godinho, António Guardado, Francisco Simão, Tiago Lopes, Ricardo Jorge e Daniel Oliveira, que foram os protagonistas principais, e são eles os grandes responsáveis pela concretização deste sonho. Agora resta trabalhar para nesta segunda fase continuarem a dignificar a camisola que defendem com mais entusiasmo, mais alegria e mais coragem do que o fizeram, e bem até aqui!
Não posso deixar de agradecer a toda a minha equipa técnica, que para além de aturar as minhas reações, muito trabalho realizou para ajudar a equipa a ganhar (Nelson Roque, o avô Hermínio, o Mrs. Francisco, o Mrs. Sérgio e o Diretor Abel) e ao departamento de formação liderado pelo José Guardado.
Resta-me agradecer a duas pessoas especiais que conheci no atlético, ao Dr. Robalo e ao José Petana que muito contribui na minha forma de pensar e executar o jogo.
Ao apoio positivo que nos tem sido dado com castigos e gritos de incentivo semana após semana, que nos momentos difíceis nunca deixaram de estar connosco e acreditar em vez de reviverem frustrações pessoais um muito obrigado, pois também lhes pertence um pouco desta pequena vitória.
Por fim, não posso deixar de agradece a minha família pela ausência e a compreensão do prazer que é para mim o jogo.
Um bem haja!
"

Walter Estrela analisa os melhores, os piores e as surpresas do futebol


Walter Estrela é treinador de futebol 11 do Ginásio de Alcobaça, que atua na III divisão nacional. Tem 45 anos e é treinador há sete. Aceitou o desafio do REGIÃO DE LEIRIA para responder a algumas questões sobre futebol.

REGIÃO DE LEIRIA – Que acontecimento desportivo, envolvendo equipas ou atletas da região, destaca em 2012?
WALTER ESTRELA – Destaco em termos individuais a entrada e confirmação do Ricardo Esgaio no plantel sénior do Sporting. Em termos coletivos a manutenção do Ginásio de Alcobaça nos escalões nacionais do nosso futebol.

Até à paragem dos campeonatos no Natal, qual foi a equipa da região que se apresentou como a maior surpresa?Nenhuma…nenhuma atingiu o brilhantismo necessário para se tornar uma revelação.

Quem é o atleta/equipa revelação nos campeonatos seniores?Destaco o meu guarda-redes: Fábio.

E na formação? Quem aprendeu melhor a lição até agora?Iniciados do G. Alcobaça.

Quem se destacou pela positiva? Que nota de 0 a 20 lhe daria?
Fábio, o meu guarda-redes; não é fácil um miúdo sem experiência substituir um guarda-redes como o Vítor Maranhão e fazer uma série de jogos muito bons…dava-lhe 20.

Quem se destacou pela negativa? Que nota de 0 a 20 lhe daria?Todos aqueles que pensam de modo individual em prole do coletivo…dou-lhes 0.

Chegar a esta altura do campeonato em primeiro lugar é um bom presságio para o resto da época ou ainda é preciso correr muito atrás da bola?Correr tem que se correr sempre. Eu prefiro estar sempre em primeiro, depois acredita-se naquilo que se quer…eu acredito no trabalho e em grupos fortes em todos os aspetos. O segundo é o primeiro dos últimos.

Quem é um sério candidato ao título nos campeonatos distritais? E nos nacionais?Marrazes no nosso distrito, Sourense na série D da III divisão e FC Porto pela capacidade de superação nos momentos cruciais da época.

Se tivesse que fazer uma aposta que lhe valesse algum lucro, em quem depositaria as suas economias em 2013?Em mim e nos meus jogadores…Acredito muito em mim e na minha equipa.

Região de Leiria

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Luciano Silva : "Domingo é para vencer"

Quando forem 11 horas do próximo domingo, a equipa de Juvenis do AC Marinhense disputa no histórico Estádio Mário Duarte, em Aveiro, o seu mais importante jogo da época. É que basta um empate frente á equipa do Beira-Mar, para a equipa comandada por Luciano Silva se apurar para a próxima fase do campeonato nacional de Juvenis. E tudo até já podia estar decidido, não fosse o inesperado golo sofrido nos minutos finais do jogo no passado domingo, frente ao CF “Os Repesenses”, e que “roubou” os três pontos á equipa do AC Marinhense, e o respectivo apuramento.
Assim, e depois de na 1ªvolta ter vencido na Marinha Grande por 3-2, e numa altura que soma mais 3 pontos que o seu rival, à equipa do AC Marinhense basta o empate em Aveiro para confirmar o apuramento. Mas Luciano Silva, não vai por aí e revela mais ambição: “Se no início da época o objectivo era claramente a manutenção, com o decorrer do campeonato fomos ambicionando a mais, e a uma melhor classificação. No próximo domingo, vão defrontar-se duas das boas equipas do campeonato, e se matematicamente o empate é suficiente para o apuramento, temos a ambição de vencer e esperar que a Académica perca em leiria, para não só se apurarmos para a fase seguinte, mas para o fazermos como primeiros da série”.
Diário de Leiria

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Juniores : U.Leiria derrota Estoril

Campo da Mata, em Santa Eufémia
Árbitro: Carlos Alexandre (AF Portalegre), assistido por Pedro Lourenço e João Parente.
Assistência: 100 espectadores.

União de Leiria 4: Tagarrinha, Miguel Ângelo, Virtudes, Luís Oliveira, Rafa, Esgaio, Diogo Dinis, Pepo (João Gomes, 80m), Jota, Fred (Madruga, 62m), Carlos Oliveira (Luís Souza, 75m).
Suplentes: Xico, Simão, Aliu Camara e Bernardo.
Treinador: Tiago Vicente.

Estoril 0: João Manuel, Filipe, Carlos Sobral, Diogo, David, Duda, Maurício (Pedro Correia, 75m), André Silva, Luís, Marcelino (Pedro Lourenço, int.) e Rui Carriço (Francisco, int.).
Suplentes: Ruben, Giorgi, Sousa e Tiago Oliveira.
Treinador: Pedro Rodrigues.

Ao intervalo: 3-0.
Golos: 1-0 por Jota (8m); 2-0 por Rafa (16m); 3-0 por Virtudes (43m), 4-0 por Jota (90+1m).
Acção Disciplinar: Cartão amarelo a Rui Carriço (25m).
Havia alguma expectativa para saber como é que a União de Leiria iria jogar sem um dos seus elementos mais emblemáticos, o avançado Carlos Daniel que se encontra a cumprir um período à experiência no Deportivo da Corunha.
Órfã do seu capitão, a União de Leiria encontrou no colectivo a arma principal para levar de vencida um Estoril que é sempre uma equipa incómoda, por 4-0. Contudo, os leirienses não poderiam ter começado melhor já que logo aos oito minutos marcou o golo inaugural. Num pontapé de canto marcado por Fred, Jota apareceu ao primeiro poste a desviar para o fundo da baliza.
Apenas oito minutos volvidos, os leirienses voltaram a marcar. Rafa é desmarcado de forma primorosa e, já dentro da área, rematou cruzado fazendo a bola sobrevoar o guarda-redes do Estoril anichando-se no fundo da baliza.
Tudo fácil para os leirienses que controlaram por completo a partida, com o Estoril a só conseguir incomodar aos 35 minutos numa excelente jogada de combinação, com Marcelino a cabecear pouco por cima.Apesar da ameaça, foi a U. Leiria a chegar ao golo e mais uma vez num pontapé de canto com Virtudes a aparecer no segundo poste para encostar para o 3-0. Perto do apito para o intervalo, Diogo Dinis desmarcou Jota que rematou na passada para boa defesa de João Manuel.
No segundo tempo esperava-se uma reacção do Estoril o que aconteceu mas sem resultados práticos já que os leirienses baixaram o ritmo de jogo e, mesmo dando a iniciativa de jogo ao adversário, fechou-se muito bem no seu meio-campo não dando veleidades ao Estoril.
Assim sendo, a segunda parte perdeu todo o seu interesse e só perto do final foi possível ver alguma emoção. Aos 87 minutos, Rafa cometeu uma falta infantil dentro da área, mas na conversão da grande penalidade, Francisco rematou muito por cima.
Quem não perdoou foi Jota que, no período de descontos, fez uma excelente diagonal e, à entrada da área, rematou cruzado fixando o resultado final em 4-0.
Vitória justa e sem contestação por parte dos leirienses, com altos índices de eficácia. Estoril deixou uma pálida imagem.
Arbitragem positiva de trio de Portalegre.
José Roque

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Juvenis : AC Marinhense empata em casa e remete decisão de apuramento para a última jornada

Num jogo em que foi em grande parte do jogo melhor, a equipa do AC Marinhense cedeu um empate caseiro frente ao Repesenses, e adia assim para a última jornada a decisão da passagem á próxima fase do campeonato nacional de Juvenis.
 Jogo da 17ªJornada do Campeonato Nacional Série C - Juvenis
Estádio Municipal da Marinha Grande
Assistência: Cerca de 150 Pessoas
Árbitro: Rui Figueiredo, do CA da Leiria, auxiliado por Michael Silva e Pedro Figueiredo

AC Marinhense : Rúben Lopes, Ivo Brígido (Tiago Lopes, aos 67 min.), Zé Ricardo, David Marques, André Lemos, Sérgio Pinto, Rúben Fernandes, André Vinagre, João Bernardo (Vasco, aos 78 min.), Ricardo Jorge, Daniel Oliveira (Cap.)
Suplentes não utilizados: Leandro, João Duarte, Bernardo, Francisco Simão, António Guardado
Treinador: Luciano Silva
Adjunto: Nélson Roque
Delegado: Abel Oliveira

CF “Os Repesenses” : Fernando, Sena, Teixeira, Mauro, Didi, Kiko, Gabi (Rafa, aos 74 min.), Marcelo, Hugo Rafael (Alex Moreira, aos 65 min.), Pedro Gomes (Cap.), Hugo Lopes (Terror, aos 40 min.)
Suplentes não utilizados: Alexandre, Ramalho, Arteme, Rui
Treinador: José Barbosa
Adjunto: Rúben Soares
Delegado: Rogério Borges
Massagista: Fernanda Andrade
.
Ao intervalo: 0-0
Marcadores: 1-0 Ricardo Jorge g.p (aos 57 min.), 1-1 Pedro Gomes (aos 78 min.)
Acão Disciplinar: Amarelo a Sena (aos 27 min. e 35 min.), André Vinagre (aos 34 min.), Teixeira (aos 57 min.), Didi (aos 61 min.), Terror (aos 61 min.), Tiago Lopes (aos 69 min.), Marcelo (aos 69 min.), André Lemos (aos 78 min), Rúben Lopes (aos 78 min.), Pedro Gomes (aos 80 min.). Vermelho por acumulação a Sena (aos 35 min.)

Em mais uma jornada do Campeonato Nacional de Juvenis, a equipa do AC Marinhense, recebeu este domingo a equipa do CF “Os Repesenses”, 5ºclassificada do campeonato.
A equipa do Marinhense entrou melhor no jogo, e logo aos 3 min., Ricardo Jorge tem um bom lance á entrada da área do Repesenses, mas permite uma defesa segura a Fernando. Na resposta, aos 9 min., Pedro Gomes remata forte para defesa segura de Rúben Lopes. Depois de um começo algo cauteloso, o Repesenses ia equilibrando o jogo, e aos 20 min., a equipa trabalha bem uma jogada ofensiva, com Gabi a centrar muito perigoso, mas a não aparecer ninguém na zona da finalização. Aos 25 min., é a vez de Hugo Rafael na marcação de um canto enviar a bola ao poste da baliza de Rúben. Dez minutos depois, aos 35 min., os mesmos intervenientes da jogada anterior, com Rúben a ter duas enormes defesas e a evitar o golo de Hugo Rafael. Na resposta a este lance, ataque perigoso do AC Marinhense, com Sena a travar em falta a progressão de Ricardo Jorge e a ser penalizado com o 2ºamarelo e respectiva expulsão.
A 2ªParte começou com o Marinhense mais pressionante, e logo aos 40 min., André Lemos a centrar a bola e esta a bater caprichosamente na barra da baliza de Fernando. Em superioridade numérica, o Marinhense fazia pela vida e procurava chegar ao golo, perante uma organizada equipa do Repesenses, que cada vez mais abdicava de ataques organizados e procurava lançar perigosos contra ataques, onde Hugo Rafael se ia evidenciando, como foi o caso aos 53 min., onde teve uma excelente oportunidade para inaugurar o marcador, mas perde muito tempo e acaba por ser desarmado.
Até que aos 53 min., o central Zé Ricardo em missão ofensiva, sofre falta na área do Repesenses. Grande penalidade que Ricardo Jorge transformou no golo do Marinhense. Sem deslumbrar, e em vantagem no marcador, a equipa de Luciano ia gerindo o jogo, perante uma equipa do Repensenses, que em inferioridade numérica, tinha dificuldade em colocar muitos jogadores nos seus ataques. Com a entrada em campo de Alex Moreira, a equipa do Repesenses ganhou maior velocidade no seu ataque, e começou a acreditar que era possível chegar ao golo, o que veio mesmo a acontecer. Aos 78 min., Pedro Gomes é derrubado na área do Marinhense por Rúben Lopes, grande penalidade que o próprio se encarregou de marcar. Rúben ainda fez uma excelente defesa, mas na recarga o mesmo Pedro Gomes a redimir-se a a fazer o 1-1, que viria a ser o resultado final.
Empate que penaliza a equipa do Marinhense, que viu fugir a vitória nos instantes finais do jogo, mas que acaba por ser um justo prémio para a equipa do Repensenses, que jogou durante 45 minutos com uma unidade a menos e que mostrou sempre ser uma equipa muito organizada e que fez pela vida frente ao favorito Marinhense.
Quanto a arbitragem de Rui Figueiredo, esteve bem nos dois penaltis assinalados e no resto rubricou uma exibição regular.

Seniores : Sp.Pombal derrota Alcobaça em derby distrital

Estádio Municipal de Alcobaça
Árbitro: Manuel Franco (AF.Lisboa)

GC Alcobaça 1
Fábio Santos, Serginho, Juvenal, Silva e Carlos Fernandes, Hélio (Bruno Daniel, 75′), Fábio Rosado (Rúben Santos, 86′), Miguel Pinheiro, Tiago Lopes (Miguel Batista, 88′), Bruno Vidinha e Hugo
Treinador: Walter Estrela
.
Sp.Pombal 3
Nelson, Lagoa, Paulo Santos (Miguel Xavier, 40′), Rúben e Micas; Sousa, João Pinto (André Costa, 40′), Rica, Cepeda, Jardel (Mauro, 82′) e Pedro Emanuel
Treinador: Nuno Pereira
.
Ao intervalo:1-1
Marcadores: Hugo (21′), Miguel Xavier (44′), Pedro Emanuel (81′e 85′)
.
Ao virar a desvantagem de 1-0 para 1-3, o Sp. Pombal conseguiu, esta tarde, um excelente triunfo em Alcobaça, numa ronda em que voltou a liderar, isolado, a tabela classificativa.
Na sua deslocação ao Municipal de Alcobaça, onde defrontou o Ginásio local em jogo que integrava a 13ª jornada da Série C do Nacional da III Divisão, o Sp. Pombal viu-se em desvantagem à passagem da meia hora de jogo, situação que até se aceitava, dada a forma ousada como os alcobacenses actuaram nos primeiros 45 minutos. O golo do Alcobaça pertenceu a Hugo.
Porém, como, certamente, não estava a gostar da actuação de alguns dos seus jogadores, Nuno Pereira, o treinador dos pombalenses, inteligente, tratou de mexer no xadrez da equipa, antes do intervalo. E em boa hora o fez uma vez que Miguel Xavier, acabado de entrar nas quatro linhas, repôs a igualdade, na transformação de um livre.
Após o interregno, os forasteiros aumentaram a pressão sobre o último reduto local, na procura de um golo que aumentasse os seus níveis de confiança e, a partir daí, chegassem à vitória e, consequentemente, aos três pontos. Neste pormenor, saltou à evidência o jeito de Pedro Emanuel para marcar golos. Foi ele que, por duas vezes, ambas de cabeça, desfeiteou o guarda-redes contrário contribuindo, assim, para o triunfo da sua equipa.

O Derbie