terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Vitória da equipa mais eficaz

Campo da Lagoa, Casal dos Claros, Amor
Árbitro: Bruno Linhares, da AF Porto, auxiliado por André Ribeiro e Ricardo Ferreira

AC Marinhense (1): Pedro Duarte (cap.), Fred, César Índio, Falé (Nélson, 74m), Videira, Fábio (Gonçalo, 74m), Dady, Dércio Feliciano, Moita, Ely e Amaro (Cardeira, 82m).
Suplentes: Carlos, Cruz, Héber e Timmie.
Treinador: Marco Aurélio

GD Peniche (2) : Marco, Edilson, Paulo, Rui, Rui João, João Silva (Bruno Vitorino, 60m), André Perre, Tiago (Marcos, 82m), Silva (Cap.), João Nuno e Leandro (David, 80m).
Suplentes: João Miguel, Jonatan, Paulinho e Motinha.
Treinador: Vasco Oliveira

Ao intervalo: 0-0.
Golos: : 0-1 João Silva (aos 39 min.) ; 0-2 Paulo (aos 73 min.) ; 1-2 Ely (aos 90+3 min.).
Acção Disciplinar: Amarelos a Fábio (15 min.), Leandro (26 min.), Rui João (35 min.), Falé (45 min.), Silva (51 min.), Bruno Vitorino (aos 68 min.), Videira (aos 71 min.), César Indio (90+1 min.), Moita (90+2 min.), Rui (aos 90+3) e Paulo (já com o jogo terminado).

Em consequência da UD Leiria jogar na Marinha Grande, o AC Marinhense, recebeu em Casal do Claros (Amor), o GD Peniche para mais uma jornada da 3ª Divisão Nacional/Série D.
O jogo começou animado, e embora sem oportunidades de golo de lado a lado, o ritmo de jogo era vivo, com poucas pausas e muita luta a meio campo, mas sem que qualquer das equipa se conseguisse superiorizar a outra. Enquanto o GD Peniche procurava mais o ataque contínuo, o AC Marinhense
procurava apanhar o adversário em contra-golpe, e aproveitar a velocidade de Ely e de Dady. Sem grandes ocasiões de perigo até aí, aos 39 minutos o GD Peniche vai chegar a vantagem, num lance de pura ingenuidade da equipa comandada por Marco Aurélio, que fica a reclamar com o árbitro uma possível infracção dos homens do GD Peniche. Estes, rápidos, fazem chegar a bola a Tiago, que bem posicionado à entrada da área faz o 0-1.
Na segunda parte, o AC Marinhense entra melhor no jogo, e rapidamente toma conta da partida, perante um GD Peniche que cada vez foi recuando no terreno e procurando agora explorar rápidos contraataques. O AC Marinhense, tem boas oportunidades de golo, primeiro por Dady, e depois em duas ocasiões por Amaro, mas a bola teima em não entrar. E como é bem certo no futebol, quem não marca sofre, foi o que aconteceu. Aos 73 minutos, contra-ataque rápido do GD Peniche, com Silva completamente isolado a permitir a defesa a Pedro Duarte para canto. Na sequência do canto, a bola atravessou toda a pequena área e a sobrar para Paulo, que só teve que encostar e fazer o 0-2. A perder por 0-2, e a faltarem apenas 17 minutos para o final, o AC Marinhense passou a arriscar mais, o que permitiu alguns contra-ataques perigosos para o GD Peniche. Mesmo em cima do apito final, o AC Marinhense vai conseguir reduzir a desvantagem, com Ely a aproveitar uma bola
perdida a entrada da área do GD Peniche, e num belo remate a não dar hipóteses a Marco e a fazer o resultado final. Vitória da equipa mais eficaz, perante um AC Marinhense que fez pela vida, mas que “esbarrou” quase sempre na maior maturidade e experiência
do GD Peniche.

A opinião dos treinadores
Marco Aurélio (AC Marinhense):
“Acho que o resultado é injusto para a minha equipa pelo que fez ao longo dos 90 minutos. Na primeira parte sofremos um golo quando nada o fazia prever, num lance de muita infantilidade. Na segunda parte, fomos para cima do Peniche, e num lance de contra-ataque sofremos o segundo golo. Quanto ao resto do campeonato, vamos continuar a lutar pelo objectivo a que se propusemos, que é não descer de divisão”.
Vasco Oliveira (GD Peniche):
“Resultado justíssimo, pelo que as equipas produziram, pena foi aquele golo que sofremos já para lá dos 90 minutos. Quanto ao campeonato, vamos continuar a lutar pelos seis primeiros lugares e por um lugar de destaque neste campeonato”.

Zé Simões é o novo treinador do Caldas Sport Clube

Depois da demissão de Gila do comando técnico do Caldas, o clube informa hoje na sua página oficial que Zé Simões, é o novo treinador da equipa, tendo como adjunto Marco Conchinha. O clube informa ainda, que decorrem ainda negociações de forma a encontrar mais um elemento para a equipa técnica.

III Divisão vai acabar

O vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) Rui Manhoso confirmou nesta terça-feira que a reestruturação dos campeonatos da segunda e da terceira divisão se encontra numa fase adiantada.
“A reestruturação encontra-se numa fase adiantada. Apresentámos um projecto de trabalho para que, na próxima época, se registe uma transição clara e que não levante dúvidas”, disse o dirigente ao sítio oficial da FPF.
Rui Manhoso revelou que, de acordo com o que foi aprovado em Assembleia Geral, a III Divisão irá terminar e será regulamentado um novo modelo que, “obrigatoriamente”, irá demorar uma época a ser implementado.
O dirigente federativo quer ver a actual segunda divisão com uma outra imagem e uma maior visibilidade, não colocando de parte a atribuição de uma nova denominação.
“Passará a ser o principal campeonato da FPF e queremos que se torne uma competição mais atractiva. Não fará sentido catalogar a prova como de primeira, segunda ou terceira, quando será a única competição de seniores masculinos organizada pela FPF”, defendeu o vice-presidente para o Associativismo e Competições Não Profissionais.
Atendendo às dificuldades actuais, Rui Manhoso admite que a competição, num primeiro momento, possa ser disputada num âmbito mais regional, cortando assim nas despesas dos clubes com deslocações e transportes.
“A nossa proposta vai no sentido de criar oito séries de 10 equipas”, prosseguiu, indicando que, numa segunda fase, entrarão os dois primeiros de cada série para uma grande fase final com duas séries de oito equipas: “Os primeiros classificados de cada série disputarão o título de Campeão, enquanto os segundos disputarão o acesso à Liga de Honra”.
Sobre a fase de descida, elucidou que os últimos dois classificados das oito séries descem automaticamente de divisão.
“Dessa forma, descem 16 equipas - os outros quatro, que descerão de divisão, serão encontrados numa competição disputada entre os oito sextos classificados de cada série”, acrescentou.
Rui Manhoso defendeu que, tratando-se de uma competição nacional, deve subir para o campeonato um clube de cada região, ou seja, os 18 campeões distritais do continente, o da Madeira e o dos Açores.

in Público

Gila demitiu-se do Caldas SC

Está assim encerrado um ciclo de quase quatros anos, em que Virgílio Nascimento, mais conhecido por Gila esteve à frente do Caldas Sport Clube. Gila destacou-se a época passada ao realizar uma grande época na liderança da equipa caldense e fez regressar o histórico clube das Caldas da Rainha à 2ª Divisão Zona Sul, mas este ano tudo correu mal, com a equipa a não conseguir os resultados esperados, e o treinador deixa a equipa neste momento quando estão jogadas 17 jornadas no último lugar, com 9 pontos, “fruto” de 2 vitórias, 3 empates e 12 derrotas, marcaram apenas 8 golos e já sofreram 29. À semelhança de Gila, também toda a restante equipa técnica composta prof. José Vala, Nuno Ferreira e Marco Custódio pediu a demissão.
A direcção do Caldas SC agradeceu em comunicado o serviço prestado por Gila e a sua equipa técnica ao clube. Leio abaixo o comunicado na íntegra:

” O técnico Gila e a restante equipa técnica composta pelo prof. José Vala, Nuno Ferreira e Marco Custódio demitiram-se hoje do comando técnico da equipa sénior do Caldas Sport Clube.
Encerrou-se, assim, um ciclo de quase 4 anos que fica marcado pelo título de campeão nacional da série E da III Divisão na época 2010/2011 e que permitiu ao clube regressar à II Divisão.
Regresso esse que, no entanto, não foi o melhor ao nível de resultados o que motivou a saída dos técnicos à 2ª jornada da 2ª volta do campeonato. Ao Gila ao Zé Vala, ao Ferreira e ao Marco Custódio, a Direcção agradece tudo quanto ao longo deste tempo deram ao serviço do Caldas SC, muitas das vezes em condições adversas, os quais contribuíram dentro das suas competências para termos hoje um clube melhor. ”

domingo, 29 de janeiro de 2012

Beneditense ” rouba” liderança ao Pampilhosa

Campo Carlos Duarte, em Pampilhosa do Betão
Árbitro: Aurélio Afonso (AF.Lisboa)

Pampilhosa: Micael (Rafael, 34′), Sarmento, Galvão, Rúben, Ricardo, Sérgio Grilo, Nuno Pedro (Serrão, 41′), Marito, André Gonçalo, Leandro e Aidos (Diogo, 45′)
Treinador: Fernando Niza

Beneditense: Diogo Soares; Rodrigo, Alex, Bruno Oliveira e Ricardo Cardoso; Dário (Batuto, 77′)o’), Miguel Pinheiro e Pimenta; Calado (David Gonçalves, 72′), Dimas e Nélson
Treinador: Mauro Pulquério

Ao intervalo: 0-1
Marcadores: Calado (27’)
Acção disciplinar: Amarelo a Ricardo Cardoso (42′), Miguel Pinheiro (44′) e Rodrigo (49’)

O Beneditense deslocou-se ao reduto do Pampilhosa, líder do campeonato, e trouxe os três pontos na bagagem. Foi uma vitória que acaba por aceitar-se, perante um conjunto da Pampilhosa do Betão que jogou sempre mais com o coração do que com a cabeça.
O Pampilhosa apenas incomodou verdadeiramente o último reduto do Beneditense no segundo tempo, mas Diogo Soares manteve sempre as redes invioladas
O Beneditense foi a primeira equipa a criar perigo, mas Calado rematou por cima, após cruzamento de Nélson.
O golo do conjunto de Mauro Pulquério surgiu ao minuto 27, com Calado a não vacilar perante o guarda-redes Micael, que na última época representou o Recreio Pedroguense da Divisão de Honra da AF.Leiria.
Até ao intervalo não se registou nenhuma situação de perigo, apenas a salientar a lesão de Micael, guarda-redes do Pampilhosa, entrando para o seu lugar o jovem Rafael.
No segundo tempo o conjunto de Fernando Niza entrou a todo gás e André Gonçalo obriga Diogo Soares a grande defesa.
Aos quinze minutos da segunda parte, boa oportunidade para os visitantes, mas Rafael efetuou duas espetaculares defesas e evitou o 2-0. Dois minutos depois, é Sarmento a fazer brilhar novamente Diogo Soares.
Até final o Pampilhosa, mais com o coração do que com a cabeça tentou anular a desvantagem, mas sem sucesso. O Beneditense foi sempre uma equipa muito solidária no setor defensivo e com olho no contra-ataque que por vezes apanhou desprevenida a defensiva local, contudo o resultado não se alterou.
Boa arbitragem de Aurélio Afonso.

Cid Ramos - O Derbie

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

AC Marinhense e CA Riachense empatam a uma bola

Jogo da 15ªJornada da 3ªDivisão Nacional/Série D

Estádio Municipal da Marinha Grande

Árbitro: António Matias, do CA Portalegre, auxiliado por Manuel Azeitona e Daniel Pereira



AC Marinhense 1: Pedro Duarte (cap.), Fred, César Índio, Falé, Videira, Fábio, Cruz (Dady aos 30 min.), Moita, Ricardo Fernandes, Ely e Amaro (Nélson aos 72 min.)

Suplentes nãoutilizados : Carlos, Gonçalo, Miguel, Timmie, Cardeira

Treinador: Marco Aurélio

Adjunto: Nuno Silva

Delegado: Geraldes


CA Riachense 1: Ricardo, Zé Brites (Milú aos 55 min.), Gonçalo, Gameiro (Cap.), Rosa, Marco Gomes, Tiago Prates, Bruno Lemos, Ricardo Pires (Diogo Matias aos 72 min.), David (Daniel Pires aos 76 min.) e Pedro Graça

Suplentes não utilizados: Cláudio e Leandro

Treinador: Pedro Monserrate

Adjunto: Pedro Bouça

Delegado: Valter Inácio


Marcadores: 0-1 Pedro Graça (7 min.) ; 1-1 Dady (82 min.)



Acção Disciplinar: Amarelos Marco Gomes (20 min.) , Tiago Prates (26 min.) , Fred (35 min.) , Ricardo Pires (60 min.) , César Índio (83 min.) , Bruno Lemos (90 min. +1) , Daniel Pires (90 min. + 4) e Videira (90 min. + 5). Vermelho Directo Milú (62 min.).



Talvez por o jogo ser frente ao último classificado, que antes deste jogo apenas somava três pontos, ou por outro factor qualquer, o certo é que a equipa do AC Marinhense entrou relaxada neste jogo, e logo aos 7 minutos sofreu o primeiro dissabor. Rosa cruza bem da esquerda, e Pedro Graça de cabeça a dar o melhor seguimento á jogada e a fazer o 0-1 para o CA Riachense. E não tardou muito para o CA Riachense voltar a causar grande perigo. Aos 11 minutos, depois de um livre frontal, Ricardo Pires remata e a bola embate na poste direito da baliza de Pedro Duarte. Um minuto depois, novo lance de muito perigo para o CA Riachense, com Marco Gomes isolado na pequena área e a rematar ao lado.


Era um início completamente avassalador da equipa do CA Riachense, frente a uma equipa do AC Marinhense que tardava em se encontrar e que estava a perder muitas bolas na transição para o ataque, permitindo contra-golpes de muito perigo. Só com muita sorte e alguma falta de pontaria dos avançados do CA Riachense, é que o marcador não indicava outros números á passagem da meia hora.


Mas a partir daí, o Marinhense começa finalmente a encontrar-se, e com a entrada de Dady para o lado direito do meio-campo, a equipa do Marinhense começa a crescer. Amaro tem uma boa oportunidade para restabelecer o empate, mas falha o que parecia fácil.


A segunda parte começou como tinha acabado a primeira, o AC Marinhense a procurar tomar conta do jogo, perante um CA Riachense que procurava agora cada vez mais segurar a vantagem, e que cada vez mais recuava no terreno. Apesar do domínio, o AC Marinhense tinha dificuldades em conseguir penetrar na defesa do CA Riachense.


Até que aos 62 minutos, e depois de uma indicação do auxiliar, o árbitro da partida expulsa Milú, que tinha entrado 7 minutos antes, por uma eventual agressão a Moita. E se até aí o jogo, nesta 2ªparte, já era quase de sentido único, a partir daí intensificou-se, com o AC Marinhense a tentar chegar a igualdade, o que vai conseguir aos 82 minutos, num grande lance de Dady, que a entrada da área faz um chapéu perfeito a Ricardo.


Daqui até ao final do jogo o AC Marinhense ainda procurou chegar á vitória, mas fê-lo sempre com pouca racionalidade, perante uma equipa do CA Riachense que procurou “segurar” o precioso ponto, o que conseguiu.


O resultado final acaba por ser penalizador para o AC Marinhense, mas que só se pode queixar de si, e do péssimo início de partida que teve e é um prémio para o excelente inicio de jogo desta equipa de Riachos.


Quanto a arbitragem de António Matias, no plano técnico nada a apontar, no plano disciplinar fica a dúvida no lance da expulsão, e no geral foi muitas vezes permissivo com a tentativa de queimar tempo dos atletas do CA Riachense, mas diga-se a verdade foi um jogo onde os jogadores não facilitaram, sempre em constantes picardias.



A opinião dos treinadores :

Marco Aurélio (AC Marinhense): Tivemos uma abordagem péssima ao jogo, e demos meia-hora de avanço ao adversário, tempo no qual sofremos o golo. Com o golo, o adversário ganhou ânimo, e depois tivemos que correr atrás do “prejuízo”. Conseguimos chegar ao empate, mas se o tivéssemos feito antes, talvez conseguíssemos chegar á vitória

Pedro Monserrate (CA Riachense): O empate acaba por ser justo. Desperdiçamos bastantes oportunidades de golo nos primeiros minutos, e depois o AC Marinhense foi crescendo. A partir da expulsão as coisas ficaram mais difíceis. A expulsão foi mesmo a chave do jogo e penso que se não tem acontecido, poderíamos ter ganho. Resta-me enaltecer a boa atitude dos meus jogadores.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

SMS da Bola

- O SC Pombal deveria jogar este fim-de-semana com o Crato, mas devido á desistência destes estará de folga. Marco Aurélio regressa de castigo na próxima jornada.

Clubes da região em execução fiscal

Clubes notificados para pagamento de dívida no prazo de 30 dias. Se não o fizerem são excluídos do Plano de Regularização de dívidas ao fisco e correm risco de execução fiscal
União de Leiria, Caldas, Fátima, AC Marinhense, GD Peniche e Beneditense estão a ser notificados pelas Finanças para pagamento de dívidas ao fisco, em valores relacionados com as verbas das receitas das apostas mútuas a que os clubes têm direito. Na notificação, a que o Diário de Leiria teve acesso, as Finanças informam os clubes de que se encontram em incumprimento e correm risco de execução fiscal. Em causa está um acordo celebrado em 1999,em que a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) deveriam encaminhar para as finanças as receitas relativas ao ‘totonegócio’ (receitas das apostas mútuas desportivas) para pagamento das dívidas.

www.diarioleiria.pt

domingo, 22 de janeiro de 2012

SC Pombal vence SCE Bombarralense e ascende ao 2ºlugar

15ªJornada - 3ªDivisão Nacional/Série D - Seniores
--
Resultados:
AC Marinhense 1 (Dady) - CA Riachense 1
Beneditense 1 - Benfica CB 0
GD Peniche 0 - Tocha 0
Sourense 1 - GC Alcobaça 0
SC Pombal 3 - SCE Bombarralense 0
--
Classificação:
--
Próxima Jornada 29-1-2012
AC Marinhense - GD Peniche
Tocha - Benfica CB
GC Alcobaça - AT.Riachense
SCE Bombarralense - Sourense
Pampilhosa - Beneditense

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

GC Alcobaça venceu derby distrital

Estádio Municipal de Alcobaça
Árbitro: Pedro Silva (AF.Lisboa)

GC ALCOBAÇA 1Vítor Maranhão, Bruno Vidinha, Juvenal, Hélio, Carlos Fernandes, TD (RS, 68′), Ricardo Pontes, Fábio Rosado (Bruno Daniel, 56′), Bruno Novo, Tiago Lopes (Janeca, 71′) e Hugo
Treinador: Walter Estrela

SP.POMBAL 0Nélson, Damien (Pedro Santos, 85′), Lagoa, Toni e Paulo Martins; Rica, João Pinto (Bruno Mendes, 57′), André Costa, Diogo Ribeiro, Miguel Xavier e Panzer (Ascenso, 75′)
Treinador: Paulo Neves

Ao intervalo: 0-0
Marcadores: Bruno Novo (80′)

O Alcobaça venceu o Sp.Pombal, num derby distrital, em que a formação de Walter Estrela justificou inteiramente, dado que foi melhor ao longo do encontro.
A superioridade da turma alcobacense foi mais visível no segundo tempo, altura em que dominou o encontro, perante um Sp.Pombal que soma três derrotas consecutivas.
No primeiro tempo, poucas situações de perigo, contudo apenas nos últimos minutos o golo esteve perto de acontecer, mas TD desperdiçou incrivelmente.
No segundo tempo, o Alcobaça intensificou o domínio nos últimos quinze, altura em que RS e Tiago Lopes estiveram perto do golo, mas Nélson evitou o golo.
Pelo Sp.Pombal, Miguel Xavier e Bruno Mendes também podiam ter balançado as redes, mas tal não aconteceu.
A dez minutos do final do encontro, o extremo Bruno Novo deu vantagem ao Alcobaça, num golo que já se justificava, fruto da superioridade que evidenciava no encontro.
Antes do final do encontro o Sp.Pombal poderia ter marcado, mas Miguel Xavier na transformação de uma grande penalidade rematou ao poste.

O Derbie

Vitória ao cair do pano

Estádio Municipal da Marinha Grande
Árbitro:Jorge Maia (AF Santarém)

AC Marinhense: Pedro Duarte (cap.), Miguel, César Índio, Falé, Videira (Dady, aos 60 min.), Fábio, Cruz (Gonçalo, aos 90+2), Dércio Feliciano, Ricardo Fernandes, Ely e Amaro (Nélson, aos 76 min.)
Suplentes não utilizados: Carlos, Timmie, Fred, Cardeira.
Treinador: Marco Aurélio

GD Sourense: Ivo, Pimenta, Fábio Pereira, Alex, Sérgio Marques, R. Tavares (Cap.), Jorgito, Sanchez (Sandro, 76 min.), Telmo (Mini,aos 67 min.), Andreson e Chico (Manito, aos 60 min.)
Suplentes não utilizados: Ricardo, Leitão, Estanqueiro.
Treinador: Nuno Raquete

Disciplina: Amarelos a Amaro (30 min.), Alex (32 min.), Jorgito (40 min. e 45 min.), Videira (48 min.), Anderson (76 min.), Falé (87 min.), Pimenta (90 min. + 1). Vermelho por acumulação Jorgito (45 min.)
Golos: Dady (90 min).

Numa tarde de muito frio na Marinha Grande, o AC Marinhense recebeu e venceu o GD Sourense em mais uma jornada da III Divisão Nacional.
Mas foi o GD Sourense quem entrou melhor no jogo, mais pressionante e sempre mais perto da baliza adversária, sendo que aos 5 minutos já somava três cantos a seu favor. Apesar do domínio, o GD Sourense nunca conseguiu criar real perigo, e paulatinamente o AC Marinhense foi crescendo e foi procurando equilibrar o jogo, principalmente através de Ely, que se mostrou sempre bastante incómodo para os defesas adversários. Aos 18 min., e após uma boa jogada individual da direita, Ely flecte para o centro e faz um remate perigoso que passa ligeiramente por cima da baliza de Ivo. O GD Sourense respondeu de imediato, e no minuto seguinte, Telmo, um dos melhores da equipa liderada por Nuno Raquete, tem uma boa iniciativa individual, que culmina com um remate perigoso. Por esta altura assistíamos a um domínio repartido do jogo,
com o AC Marinhense a conseguir já refrear a superioridade inicial do GD Sourense. O jogo seguiu nesta toada, até que aos 45 min. de jogo, mesmo em cima do intervalo, num lance a meio-campo, Jorgito corta uma bola com a mão, e o árbitro da partida não hesita, e mostra-lhe o segundo amarelo, ficando a equipa de Nuno Raquete reduzida a 10 elementos.
Esperava-se pois uma segunda parte, onde o AC Marinhense assumisse o jogo, e onde fizesse valer a sua vantagem de jogar com uma unidade a mais durante 45 minutos. E assim foi. Apesar de ter sido o GD Sourense a ter a primeira iniciativa de perigo na segunda parte, sempre pelo inevitável Telmo, que ultrapassou a defensiva contrária e rematou por cima da baliza de Pedro Duarte, gradualmente o AC Marinhense foi tomando conta do jogo, perante uma equipa do GD Sourense mais na expectativa e procurando explorar o contra-ataque. Mas apesar do domínio crescente do AC Marinhense, a equipa liderada por Marco Aurélio não conseguia transformar isso em verdadeiras oportunidades de golo, e não podia descurar por completo a sua defesa, pois o GD Sourense procurava sempre sair para rápidos contra-ataques. Da parte do AC Marinhense, com a entrada de Dady, para o flanco direito, a equipa ganhou mais objectividade, com o jovem médio a ter algumas iniciativas a porem em perigo a equipa do GD Sourense, e numa delas, aos 70 min., Ely ficou a centímetros de encostar para golo a um centro de Dady. O jogo caminhava para a sua parte final e o domínio do AC Marinhense acentuava-se cada vez mais, com o GD Sourense a conseguir cada vez menos
partir em jogadas perigosas de contra-ataque.Aos 72 min., Ely tem uma jogada fantástica na esquerda, passa por dois defesas do GD Sourense, centra para a área, mas a bola não leva o melhor seguimento. Quatro minutos depois, é a vez do mesmo Ely, de uma forma pouco ortodoxa, tentar o golo, após um centro da direita, mas a bola acaba por sair por cima da baliza de Ivo. Mas vai ser mesmo em cima dos 90 min. de jogo, que o AC Marinhense vai conseguir chegar ao golo da vitória. Bola em profundidade da defesa do Marinhense, com Dady a ganhar vantagem
sobre a defesa do GD Sourense, a isolar-se, e a rematar para golo, Ivo ainda conseguiu evitar o primeiro remate, mas na recarga Dady marcou mesmo e pôs um ponto final na resistência da equipa do GD Sourense. Quatro minutos depois, Jorge Maia dava por terminado o encontro.
Justa a vitória do AC Marinhense, que foi claramente a equipa que mais procurou o golo, num jogo que ficou obviamente marcado pela expulsão
de Jorgito, que condicionou toda a estratégia da equipa do GD Sourense na segunda parte. Quanto a arbitragem de Jorge Maia, foi no geral uma arbitragem acertada, sem casos, onde a única dúvida que fica mesmo, é se terá tido algum excesso de zelo na amostragem do segundo cartão amarelo a Jorgito, num lance de mão na zona do meio-campo, isto cinco minutos depois de lhe ter mostrado o primeiro amarelo.
-----
A opinião dos treinadores:
Marco Aurélio (AC Marinhense): Perante uma equipa bem organizada e experiente como o Sourense, a nossa equipa entrou expectante, perante um Sourense que entrou melhor no jogo. A expulsão alterou o rumo do jogo, crescemos, e fomos em busca da vitória, o que conseguimos.
Nuno Raquete (GD Sourense): Fomos melhores na primeira parte, mas a expulsão condicionou o jogo. Se fomos melhores na primeira parte, o AC Marinhense foi melhor na segunda parte, e as suas substituições refrescaram bem a equipa. Aceitava-se o empate, mas no futebol, ganha quem marca.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Iniciados da UD Leiria na segunda fase

Jogo disputado na Academia de Futebol da U. de Leiria.
Assistência: cerca de 80 espectadores.
Árbitro: Luís Coelho (AF de Coimbra).
Árbitros assistentes: António Tomás e Paulo Santos.

UD Leiria 1Treinador: Tiago Vicente
Miguel (João Pedro, int.); Luís Pimentel, Dénis (cap.), Izata e Migas (Miguel Santos, int.); Cajó (Ricardo Pacheco, 66) Afonso e Ricardo Soares (Renato, int.); Pê, Portela e Sousa.
Jogadores não utilizados: Francisco e Kiko.

CAD Entroncamento 1Treinador: Luís Grácio.
José Eduardo; Alberto; Catarino, Dino (cap.), Kiko e Bruno; Luís André, Vasco e Miguel Arcanjo (Rui bento, 42); Francisco (Tiago, 66) e João Monteiro.
Jogadores não utilizados: Benjamim, Edgar, Filipe, João Bruno e Simão.

Ao intervalo: 0-0.
Golos: 0-1, por João Monteiro, aos 48 minutos; 1-1, Portela, aos 70+2).
Acção disciplinar: expulsão do banco para o técnico Luís Grácio (68).

Oito dias antes a U. de Leiria ao vencer em Pombal, e a quatro jornadas do fim, garantiu a passagem à segunda fase da prova onde encontrará adversários mais fortes. Um feito nunca conseguido pelos jovens leirienses.
No jogo frente à formação do Entroncamento a equipa de Tiago Vicente só no período extra de jogo dado pelo árbitro conseguiu marcar.
Os primeiros minutos foram equilibrados, com jogo repartido sem grandes oportunidades de golo para ambos os contendores.
Até que aos 15 minutos Portela isolou-se e o guarda-redes visitante fez muito bem a mancha e defendeu com classe. Pouco depois o mesmo Portela enviou a bola ao poste com a José Eduardo batido.
O CADE por vezes aproximava-se da área anfitriã, mas sem grande perigo.
Aos 25 minutos o capitão Dénis cabeceou por cima da barra, tendo calculado mal o impulso e perdeu uma boa oportunidade para abrir o activo. Um minuto depois Sousa criou perigo, a bola saiu a lado da baliza, mas dois colegas estavam em boa posição para facturar.
Aos 34 minutos, foi a vez de Dénis ter obrigado o ‘goleiro’ visitante a realizar excelente defesa.
No segundo tempo aos 43 minutos José Eduardo executou boa defesa a remate de Afonso, o mesmo acontecendo dois minutos depois com os mesmo intervenientes.
Porém, o CADE subiu de ‘produção’ e aos 48 minutos João Monteiro de fora da área aplicou uma bomba e obteve um golo de bandeira.
Os visitantes mostravam-se mais soltos e aos 57 minutos foi a vez de Rui Bento enviar a bola à barra da baliza de João Pedro, perdendo a oportunidade e fazer o 2-0 para a sua equipa.
A União arriscou tudo, inclusive a jogar com três defesas, e já no final Portela com o seu especial ‘faro pelo golo’ empatou a partida.
Arbitragem positiva. O erro mais notado foi ter assinalado um canto inexistente, curiosamente, de onde nasceu o golo unionista.

Tuna Caranguejeiro - Diário de Leiria

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

"Deveríamos ter ganho"


Manuel Cajuda não ficou convencido com o empate obtido na Madeira reforçando a ideia que a União de Leiria foi superior ao Nacional, pelo que justificava a conquista dos três pontos.

Manuel Cajuda, treinador da União de Leiria, gostou do futebol praticado pela sua equipa no jogo contra o Nacional, no domingo, que ditou um empate a duas bolas, mas o técnico acredita que os leirienses mereciam mais. "Este jogo é a primeira vez que o Leiria pontuou fora, mas fica por um terço do que deveria ter sido. A superioridade foi do Leiria em todos os aspectos, dominando o jogo e pela quantidade de oportunidades que criámos, deveríamos ter ganho o encontro. Mas a realidade é que não ganhou", explicou Manuel Cajuda na conferência de imprensa após o jogo.
Um dos aspectos que mais agradou ao técnico leiriense foi o facto de a equipa não ter podido contar com vários jogadores e, mesmo assim, ter dado uma resposta positiva. Recorde-se que Gottardi, Patrick, Hugo Alcântara, Robinho e Bruno Moraes foram ausências por lesão o que condicionou em muito as opções de Cajuda. "Perdemos cinco jogadores, com as dificuldades que nos vamos debatendo, com as soluções que vão aparecendo aos poucos, conseguimos fazer um jogo fantástico de inteligência, de capacidade táctica, de estratégia e de qualidade futebolística. É uma pena não termos ganho", frisou.

Em relação ao facto de a União ainda estar abaixo da linha de água, Manuel Cajuda não se mostra preocupado, e está optimista quanto à permanência da equipa na I Liga. "Havemos de chegar ao final do campeonato em situação tranquila. Sei que estamos numa situação delicada, mas é uma questão de mais um lugar. Com esta qualidade e entrega dos jogadores que se vem afirmando de jogo para jogo, a verdade é que não tenho receio em termos futebolísticos em relação ao futuro", destacou.

José Roque - Diário de Leiria

Cajuda deposita grandes esperanças em John Ogu


John Ogu, médio nigeriano contratado no mercado de Inverno pela União de Leiria, tem vindo a conquistar o seu espaço da equipa titular, tendo sido no último jogo, contra o Nacional, o melhor elemento em campo, com um golo marcado e uma exibição de encher o olho. Um início prometedor de John Ogu que não deixa indiferente Manuel Cajuda que deposita grandes esperanças no médio de 23 anos. "O Ogu andava perdido no Atlético, acho que tinha feito um jogo e ninguém o queria. Ainda bem que eu o quis! Tenho a certeza que estamos perante um caso sério muito sério do futebol em Portugal", confessou o técnico unionista.
 
John Ogu não esconde a satisfação por jogar na U. Leiria, mas ambiciona outros voos. "Como qualquer jogador tenho a ambição de chegar a um clube de topo. Tenho de trabalhar arduamente não só por mim, mas para ajudar a equipa a sair dos últimos lugares e subir na classificação", declarou ao site MaisFutebol. Em relação às palavras que Manuel Cajuda proferiu sobre as suas qualidades, John Ogu prefere manter um discurso humilde. "Não conheço muito do futebol português, mas sei que ele é um dos melhores treinadores. Estou a trabalhar para melhorar e fazer mais golos".
O jogador revelou ainda estar conformado com o empate na Madeira, mas confessa que a vitória assentava bem aos leirienses. “Tivemos boas ocasiões para marcar. Se as tivéssemos aproveitado podíamos ter ganho, mas o futebol é assim mesmo. Não ganhámos, mas somar um ponto não deixa de ser um bom resultado”, sublinhou.

José Roque - Diário de Leiria

António Violante é o novo seleccionador da Selecção Nacional Feminina

António Violante, técnico natural de Leiria, e que há muitos anos pertence aos quadros da Federação Portuguesa de Futebol, é o novo seleccionador de futebol feminino.
E já na sua estreia, para o seu 1ºestágio, que vai decorrer de 23 a 26 de Janeiro no Centro de Estagio de Rio Maior, o técnico leiriense convocou Cristiana Garcia, do GDC A-dos-Francos.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Sporting – Inter de Milão em Leiria dia 25 de janeiro

O Estádio Municipal de Leiria vai receber o jogo Sporting – Inter de Milão, dos quartos-de-final do Torneio NextGen Series, agendado para 25 de janeiro.



A competição NextGen Series é um torneio internacional de futebol, envolvendo 16 das melhores equipas do mundo e os seus jovens jogadores com maior potencial.
A equipa do Sporting, comandada por Ricardo Sá Pinto – que regressa a Leiria, onde foi adjunto da União – , terminou em primeiro lugar do Grupo 2. Agora vai enfrentar o Inter de Milão, segundo do Grupo 4.
Os quartos-de-final são disputados a uma mão, com o jogo entre “leões” e milanenses agendado para 25 de janeiro, pelas 19h30, no Estádio Magalhães Pessoa, em Leiria.
A fase final da competição terá a presença de quatro equipas, e decorrerá em Londres, em março.

Região de Leiria

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Beneditense quer Mário Jardel

As negociações entre o Beneditense e o futebolista Mário Jardel deverão avançar este fim de semana se o internacional brasileiro aceitar o convite do clube da 3.ª Divisão para passar um ou dois dias na Benedita.
"Falei esta manhã com Mário Jardel e ainda esta tarde ele me confirmará se aceita vir para a Benedita na sexta-feira à noite ou no sábado para discutirmos a proposta de contratação", disse o presidente do Beneditense, Luís Lopes, à agência Lusa.
O clube, atual 6.º classificado da série D da 3.ª Divisão, anunciou hoje a intenção de reforçar o plantel com a contratação do brasileiro que se encontra no norte do país.
"Jardel já sabe a nossa intenção e falta agora sentarmo-nos a discutir questões concretas", acrescentou o presidente do clube, que assegura ter já, através de um grupo de sócios e de empresas locais, "disponibilizadas as verbas necessárias" para a contratação do jogador.
Mário Jardel, de 38 anos, chegou a Portugal para representar o FC Porto, na temporada de 1996/97, proveniente do Grémio de Porto Alegre, e logo na primeira época conquistou a Supertaça Cândido Oliveira.
Nas quatro temporadas que representou os portistas foi sempre o melhor marcador do campeonato (130 golos em 125 jogos), sagrando-se tricampeão português (de 1997/98 a 1999/2000).



Entretanto, mudou-se para a Turquia, onde representou o Galatasaray, clube pelo qual marcou 24 golos em 22 jogos, sagrando-se vice campeão turco.
Regressou, então, a Portugal para jogar no Sporting, clube que Jardel ajudou a regressar aos títulos, marcando 42 golos em 30 jogos na época de 2001/02.
Na temporada de 2003/04 saiu do Sporting em litígio, transferindo-se para o Bolton, de Inglaterra, mas nunca mais voltou a mostrar a sua veia goleadora. Passou ainda pelo Ancona (Itália), Old Boys (Argentina), Alavés (Espanha), Palmeiras e Goiás (ambos do Brasil), mas sempre sem grande sucesso.
Em 2006/07, o Beira-Mar, que tinha acabado de subir à Liga, voltou a apostar em Jardel, que, com a camisola dos aveirenses, assinou três golos em 12 jogos.
O "capítulo" português de "Super Mário" foi encerrado com a fabulosa média de um golo por jogo (186 golos, em 186 jogos), seguindo-se a experiência no Anorthosis (Chipre), Newcastle Jets (Austrália) e o regresso ao Brasil, onde jogou por Criciúma, Ferroviário, América de Fortaleza, Flamengo de Teresina e o Rio Negro.
Entretanto, ainda contou uma passagem pela Bulgária, para defender o Cherno More.

in Record

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Paulo Ferreira é o novo treinador do SCE Bombarralense

O SCE Bombarralense tem um novo treinador. Trata-se de Paulo Ferreira que substitiu assim o anterior técnico Rui Almeida no comando técnico da equipa.
Para além desta mudança, é também novidade o ingresso na equipa de Cristiano Conceição, que jogava no GD Peniche, e agora vai reforçar a equipa do SCE Bombarralense.

Hélder Romana é o novo treinador dos Juvenis A da UD Leiria

Em consequência da saída de José Rocha por motivos profissionais do comando técnico da equipa de Juvenis A da União Desportiva de Leiria, o clube optou por uma solução interna, sendo que Hélder Romana, que era o técnico de guarda-redes da equipa, assum o comando da equipa, acumulando as duas funções.

domingo, 1 de janeiro de 2012

Dário Marquês no Caldas SC

Dário Marquês está confirmado como novo reforço do Caldas Sport Clube. O jovem extremo representou nestes últimos três meses no Ginásio Clube de Alcobaça, onde conseguiu mostrar todas as suas qualidades, destacando-se com o um dos jogadores mais influentes da equipa, contribuindo com várias assistências e golos na 3ª Divisão Série D.Dário já tinha estado perto de assinar com o clube caldense no ínicio da temporada, mas a transferência não se viria a concretizar. O treinador caldense Gila,
apreciador das suas qualidades não exitou e foi buscar este jovem que fez a sua formação em clubes como o Beneditense, Sporting e União de Leiria, para ajudar “atacar” a segunda metade da época e assim conseguir a manutenção na 2ª Divisão Zona Sul, com a sua estreia a poder ser já no próximo dia 8 de Janeiro no reduto do líder, Oriental.

Gonçalo Ferreira